Bitcoin morre pela 300ª vez

Um artigo publicado no site da Forbes em 30 de maio afirma que o “calcanhar de Aquiles” do bitcoin é a enorme quantidade de eletricidade necessária para a mineração. Como destacado pelo especialista da revista, France Coppola, os mineradores subestimam os riscos associados ao consumo de energia em escala global. A matéria aborda questões como roubo de eletricidade e equipamentos de mineração, que está se tornando cada vez mais caro.

“Como esperado, os mineradores de bitcoin minimizam o consumo de energia e a ameaça que representam para as pessoas comuns, as empresas comuns e o planeta” , diz o material.

De acordo com o site 99bitcoins, na última “morte”, o bitcoin foi negociado em torno de $ 7.312. De acordo com as estatísticas da 99Bitcoins, este ano a criptomoeda “morreu” 62 vezes. Até o momento ao longo do ano, o bitcoin morreu 85 vezes.

Ao longo de 2016, relatos da iminente “morte” do bitcoin surgiram 28 vezes, o que não impediu que a primeira criptomoeda em dezembro daquele ano superasse a marca dos US $ 800 e atingisse o maior nível desde os indicadores de fevereiro de 2014.

Guia do Bitcoin

Relatório do Mercado Brasileiro de Bitcoin – Junho de 2017

. Desenvolvido em uma parceria exclusiva com o WatchCoins, o relatório de Junho conta com análise de dados do período de 01/06/2017 à 31/06/2017, e foi criado graças ao apoio dos…

0 Comentários

Binance ajudará Uganda e possivelmente se expandirá para a África

Uma das maiores exchange de criptomoedas fez parceria com empresas em Uganda para lançar um “movimento” que possa fortalecer a economia do país. A Binance, atualmente a maior bolsa de criptomoedas por…

0 Comentários
Vai ficar de fora?
Para manter-se atualizado sobre novidades, ofertas e dicas, informe-nos que você gostaria de receber atualizações por e-mail inserindo seu endereço de e-mail e clicando para se inscrever. Como usamos as suas informações?​

INSCREVER
close-link