Bitcoin continua firme e forte mesmo após taxações de Exchanges chinesas

Imagem: reprodução

Mesmo após as maiores bolsas chinesas anunciarem a implantação de taxas nas transação, o Bitcoin, mais uma vez, mostra sua capacidade inerente de se ajustar rapidamente ao ambiente em constante mudança e não apenas se recupera da adversidade, mas também ficar mais forte.

As bolsas chinesas começam a cobrar taxas em transações.

A Bitvc, uma exchange bitcoin registrada em , juntou-se a OKcoin, Huobi e a BTCC em sua decisão de cobrar uma taxa fixa de 0,2% por negociações, começando em 24 de Janeiro, de 2017.

Mais recentemente, no dia 26 de janeiro, a CHBTC anunciou seus planos de começar a cobrança de taxas também. No entanto, o valor das taxas por negociação permanece indeterminada.

Ao anunciarem a sua decisão de iniciar as taxas sobre as transações, as exchanges chinesas causaram uma queda nos volumes de negociação de bitcoin.

A este respeito, Bloomberg.com relatou , “o volume de negócios caiu 98% em comparação com os primeiros dias de 2017, segundo dados da bitcoinity.org.”

Controlar a manipulação e volatilidade do Bitcoin

A erradicação dessas falhas de mercado é o objetivo da ao cobrar taxas. A  fez o seguinte anúncio “com o intuito de frear posterior manipulação de mercado e a extrema volatilidade, a BTCChina vai começar a cobrar taxas para Bitcoin e Litecoin a partir de 24 de janeiro”.

Leia também  Procura-se um apaixonado por Bitcoin - Escreva com a gente

Com isso, muitos entusiastas de Bitcoin vêem benefícios resultantes das taxas a serem cobradas pelas bolsas chinesas. Por exemplo, um usuário do Reddit chamado Blaireau1 “acredita que as taxas de negociação vai deixar-nos ver o tamanho do mercado chinês de bitcoin“.

Além disso, de acordo com Blaireau1, “a ainda responde por uma parcela grande de todas as transações bitcoin, reduzir essa parcela significa que qualquer ação pelas autoridades chinesas de barrar o bitcoin terá um impacto muito menor do que se pensava anteriormente. Isso certamente reduz a volatilidade e, a longo prazo, ajudará o Bitcoin a alcançar maior aceitação”.

Os últimos indicadores mostram que o comércio está se deslocando para  que não cobram taxas de transação.

Leia também  Monero, a criptomoeda do momento: segura, privativa e não-rastreável

Além disso, outros intercâmbios na região vêm ganhando destaque. Por exemplo, a partir de 28 de janeiro de 2017, a Bitflyer, uma bolsa japonesa de Bitcoin, ocupa o primeiro lugar no ranking de negociações por volume de Bitcoin, de acordo com dados da Coinhills.

 

Bitcoin: uma moeda robusta

Mais uma vez, a resistência do Bitcoin está sendo testada. A moeda teve de enfrentar diversos obstáculos durante seus nove anos de existência, que incluem Mt Gox, a SilkRoad, dentre outros escândalos.

Além disso, não vamos esquecer que, em 2013, o da China proibiu as instituições financeiras de realizarem transações com bitcoins. Esta decisão causou a queda de mais de 20% para menos de US$ 1.000 USD.

Agora, a cobrança de taxas de transação pelas principais bolsas chinesas é apenas o último episódio. A boa é que o Bitcoin sempre se recuperou de qualquer dificuldade mais forte e revigorado. Os comerciantes irão diversificar as exchanges e adaptar-se ao novo ecossistema. Mais importante ainda, o mercado de bitcoin se tornará mais transparente, mais estável, menos especulativo e mais apoiado por dados de volume de negócios mais factuais.

Leia também  Grupo Australiano irá leiloar mais de 24 mil bitcoins apreendidos

Comerciantes como Bobby Lee, CEO da BTCC, permanecem otimistas. Lee disse em sua mensagem de Ano Novo Lunar “, BTCC foi bem sucedido em 2016. Estamos trabalhando duro para alcançar maior sucesso em 2017.”

Fonte: news.bitcoin.com
Adaptação/tradução: Guia do Bitcoin

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *