Bitcoin atinge quase $15 mil dólares no Zimbábue e Banco Central do país alega que Bitcoin não é “legalizado”

O Banco da Reserva do Zimbábue diz que o comércio e o uso de Bitcoin para transações no país “não foram legalizados”, apesar de um aumento nos preços e valores da criptomoeda mais popular.

Os volumes de negociação do Bitcoin na única plataforma de exchange de criptomoedas do Zimbábue, a Golix, haviam subido para US$ 1 milhão no mês passado. Na terça-feira, os preços do Bitcoin na exchange zimbabuense atingiu um pico de US$ 14.490 na manhã de terça-feira contra US$ 8000 em exchanges globais.

O blog de notícias regionais TechZim informou terça-feira que o Banco central do Zimbábue declarou que o Bitcoin “ainda não é legal no país”. O Banco central justificou esta posição, dizendo que ainda estava realizando estudos sobre a criptomoeda.

“Em termos de Bitcoins, no que nos diz respeito, não é legal. Na África Austral, o que fizemos como reguladores, dissemos que não permitiremos isso em nossos mercados. Atualmente, a pesquisa está sendo realizada para verificar os desafios e riscos associados a esses produtos em particular”, disse Norman Mataruka, diretor e registrador de instituições Bancárias na RBZ no Zimbábue.

Ele disse que até o Banco central do Zimbábue “realmente estabelecer e criar um quadro legal e regulamentar para eles” Bitcoins”, não serão permitidos no país. Os facilitadores comerciais da Golix já começaram a apertar a supervisão das transações em grande volume. Funcionários disseram que as transações de maior valor exigiriam verificação de identificações para os traders.

Leia também  Governo da China divulga novo relatório sobre Blockchain e demonstra apoio a tecnologia

O Zimbabwe também teve um enorme aumento no preço do Bitcoin depois que os chefes militares do país intervieram e restringiram o presidente Robert Mugabe à sua residência privada em Harare na semana passada.

Os especialistas dizem que o Bitcoin agora está sendo usado para enviar dinheiro do Zimbabwe, bem como para comprar bens, como softwares. No entanto, o uso da moeda ainda não foi totalmente desenvolvido para permitir pagamentos por outros serviços, como pagar por hotéis, viagens e comprar ações entre outros serviços, disseram analistas.

A turbulência política no país, provocada pela intervenção de Mugabe de seu deputado, Emmerson Mnangagwa há quase um mês, viu os investidores começarem a abandonar o mercado de ações do país. Outros dizem que o Bitcoin explodiu no país pois é a solução frente  aos conflitos políticos.

Leia também  A hiperinflação venezuelana demonstra por que o Bitcoin é a maneira ideal de vencer o Estado

Fonte: Cryptocoinsnews.com
Tradução: Guia do Bitcoin


Não deixe de aproveitar a maior revolução do século e estudar na Escola do Bitcoin no melhor curso de Trading para iniciantes do mercado: http://escoladobitcoin.com

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin:

[jetpack_subscription_form title=”Bitcoins no seu e-mail” subscribe_text=”Digite o seu e-mail” subscribe_button=”Quero receber” show_subscribers_total=”1″]

Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: http://guiadobitcoin.com.br/feed/

loading...

Bitcoin x Bancos: Governos e Banqueiros querem destruir o Bitcoin antes que “percam o controle”

Parece que a conversa sobre “a moeda do povo” começou chegar nos ouvidos daqueles que tradicionalmente controlam o monopólio do dinheiro, os bancos e dos governos. As declarações negativas recentes…

2s Comentários

Mastercard quer “trabalhar” com criptomoedas emitidas por Bancos Centrais

O Diretor Executivo da filial Mastercard na região Ásia-Pacífico Ari Sarker disse que a empresa está pronta para trabalhar com as moedas digitais nacionais, cujos emissores sejam os bancos centrais….

0 Comentários
Vai ficar de fora?
Para manter-se atualizado sobre novidades, ofertas e dicas, informe-nos que você gostaria de receber atualizações por e-mail inserindo seu endereço de e-mail e clicando para se inscrever. Como usamos as suas informações?​

INSCREVER
close-link