Banco Central do Brasil divulga comunicado sobre moedas virtuais.

O Banco do Brasil (BACEN) divulgou, na manhã desta quinta-feira (16/11/2017), comunicado alertando “sobre os riscos decorrentes de operações de guarda e negociação das denominadas virtuais”.

Mas acalme-se, para quem já é usuário, e conhece o funcionamento da tecnologia, o BACEN não disse nada demais. Na verdade, o órgão recordou aquilo que já dissera em outro comunicado, qual seja, o alto risco e volatilidade do mercado de cripto-, a falta de regulamentação do mercado e, corroborando com o texto publicado anteriormente aqui no Guia do Bitcoin, que cripto-ativos não são considerados moedas eletrônicas  e nem são regidos pela Lei nº 12.865/2013.

Por fim, o BACEN relembrou que, no“Brasil, por enquanto, não se observam riscos relevantes para o Sistema Financeiro Nacional. Contudo, o Banco Central do Brasil permanece atento à evolução do uso das moedas virtuais, bem como acompanha as discussões nos foros internacionais sobre a matéria para fins de adoção de eventuais medidas, se for o caso, observadas as atribuições dos órgãos e das entidades competentes”.

Veja o texto integral do Comunicado nº 31.379, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2017 abaixo (disponível em PDF aqui).

COMUNICADO Nº 31.379, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2017

 

Alerta sobre os riscos decorrentes de operações de guarda e negociação das denominadas moedas virtuais.

 

Considerando o crescente interesse dos agentes econômicos (sociedade e instituições) nas denominadas moedas virtuais, o Banco Central do Brasil alerta que estas não são emitidas nem garantidas por qualquer autoridade monetária, por isso não têm garantia de conversão para moedas soberanas, e tampouco são lastreadas em ativo real de qualquer espécie, ficando todo o risco com os detentores. Seu valor decorre exclusivamente da confiança conferida pelos indivíduos ao seu emissor.

  1. A compra e a guarda das denominadas moedas virtuais com finalidade especulativa estão sujeitas a riscos imponderáveis, incluindo, nesse caso, a possibilidade de perda de todo o capital investido, além da típica variação de seu preço. O armazenamento das moedas virtuais também apresenta o risco de o detentor desses ativos sofrer perdas patrimoniais.
  2. Destaca-se que as moedas virtuais, se utilizadas em atividades ilícitas, podem expor seus detentores a investigações conduzidas pelas autoridades públicas visando a apurar as responsabilidades penais e administrativas.
  3. As empresas que negociam ou guardam as chamadas moedas virtuais em nome dos usuários, pessoas naturais ou jurídicas, não são reguladas, autorizadas ou supervisionadas pelo Banco Central do Brasil. Não há, no arcabouço legal e regulatório relacionado com o Sistema Financeiro Nacional, dispositivo específico sobre moedas virtuais. O Banco Central do Brasil, particularmente, não regula nem supervisiona operações com moedas virtuais.
  4. A denominada moeda virtual não se confunde com a definição de moeda eletrônica de que trata a Lei nº 12.865, de 9 de outubro de 2013, e sua regulamentação por meio de atos normativos editados pelo Banco Central do Brasil, conforme diretrizes do Conselho Monetário Nacional. Nos termos da definição constante nesse arcabouço regulatório consideram-se moeda eletrônica “os recursos em reais armazenados em dispositivo ou sistema eletrônico que permitem ao usuário final efetuar transação de pagamento”. Moeda eletrônica, portanto, é um modo de expressão de créditos denominados em reais. Por sua vez, as chamadas moedas virtuais não são referenciadas em reais ou em outras moedas estabelecidas por governos soberanos.
  5. É importante ressaltar que as operações com moedas virtuais e com outros instrumentos conexos que impliquem transferências internacionais referenciadas em moedas estrangeiras não afastam a obrigatoriedade de se observar as normas cambiais, em especial a realização de transações exclusivamente por meio de instituições autorizadas pelo Banco Central do Brasil a operar no mercado de câmbio.
  6. Embora as moedas virtuais tenham sido tema de debate internacional e de manifestações de autoridades monetárias e de outras autoridades públicas, não foi identificada, até a presente data, pelos organismos internacionais, a necessidade de regulamentação desses ativos. No Brasil, por enquanto, não se observam riscos relevantes para o Sistema Financeiro Nacional. Contudo, o Banco Central do Brasil permanece atento à evolução do uso das moedas virtuais, bem como acompanha as discussões nos foros internacionais sobre a matéria para fins de adoção de eventuais medidas, se for o caso, observadas as atribuições dos órgãos e das entidades competentes.
  7. Por fim, o Banco Central do Brasil afirma seu compromisso de apoiar as inovações financeiras, inclusive as baseadas em novas tecnologias que tornem o sistema financeiro mais seguro e eficiente.

 

Otávio Ribeiro Damaso

Diretor de Regulação

 

Reinaldo Le Grazie

Diretor de Política Monetária

 

Leia também  CVM avisa que pode punir ofertas de moedas virtuais no Brasil

E você, qual sua sobre a Regulamentação do no Brasil?


Autor: José Domingues da Fonseca Neto

Advogado, atua na área de direito societário e tributário, escreve para o Guia do Bitcoin sempre que pode.

 

loading...

Previous:

Análise: O motivo por trás da forte alta no preço do Bitcoin
Postado em novembro 16, 2017

Next:

ViMarket acabou de anunciar sua ICO na Forward em NY
Postado em novembro 16, 2017

O que é um “Masternode” e porque eles se tornaram tão populares?

O conceito de um masternode começou a ganhar popularidade graças a criptomoeda Dash. É bastante interessante ver os masternodes formarem uma espinha dorsal integral da rede. Operadores recebem recompensas monetárias para…

0 Comentários

Wikileaks está agora aceitando doações em Zcash

O grupo de mídia sem fins lucrativos, a Wikileaks, anunciou que agora está aceitando doações de Zcash, a criptomoeda orientado para a privacidade. O site de compartilhamento de informações revelou…

0 Comentários
  • Marcelo

    Dinheiro é um meio de troca, desde sua origem. As regulamentações e resguardo pelo estado trouxeram problemas e uso indevido, crises e desvio de finalidades. Vivemos para “ganhar dinheiro” e não para produzir recursos e bem estar, desenvolvimento. As crypto moedas são a ruptura do sistema capitalista estabelecido, e juntamente com a internet, nos levar a um novo sistema financeiro.

  • Daniel Francis

    O BACEN e os burocratas podem dizer o que for. O dinheiro é um meio de troca, seu valor é subjetivo, usar qualquer meio de troca é direito de todos.