A próxima onda de aplicações Ethereum está a caminho

0 Comentários

Enquanto os críticos têm muito tempo apontado Ethereum para a falta de projetos de produção, uma nova onda de aplicações descentralizadas (ou ‘dapps‘) está fazendo progressos notáveis.

Nos últimos meses, uma série de projetos Ethereum há muito esperados entraram em fase alpha e beta, incluindo o uPort, que visa dar aos usuários mais controle de sua identidade on-line, e Akasha, um aplicativo de mídia social que está há dois anos em construção.

E algumas novas aplicações surgiram também.

A Aragon, por exemplo, estreou na sexta-feira passada com o objetivo de ajudar qualquer pessoa a lançar sua própria DAO (uma empresa autônoma baseada em blocos de blockchain), um lançamento que mostra como os novos empreendedores estão agora procurando levar idéias estabelecidas há muito tempo.

Em conversa, o CEO da Akasha e o fundador do Ethereum, Mihai Alisie, observou que após meses – às vezes anos – em incubação, há uma crença de que os dApps Ethereum estão “começando a fazer sua estréia“.

Alisie disse que acredita que sua comunidade “amadureceu durante o último ano”, mesmo em face do que poderia ser chamado de obstáculos e dores de crescimento para a plataforma.

Em 2016, o DAO, o maior projeto de Ethereum até a data, dissolveu-se em questão de meses e, mais tarde, um atacante aproveitou as funções de código baratas para fazer spam na rede por meses a fio, abrandando transações e contratos inteligentes.

Mas, nos bastidores, o trabalho estava em andamento, dizem aqueles próximos ao ecossistema de desenvolvimento.

Jarrad Hope, o desenvolvedor da carteira de status ethereum descentralizada, disse à CoinDesk:

“Acho que o que estamos vendo é o trabalho duro e silencioso da comunidade de desenvolvedores ethereum do ano passado”.

A próxima Web?

O que é notável também sobre este lote de projetos, são as suas ambições.

Muitos projetos pretendem substituir aplicativos existentes, sejam redes sociais como o Facebook ou ferramentas da Web como o Google Docs, com novas versões descentralizadas. Usando a arquitetura do Ethereum, esses aplicativos são projetados sem um único ponto de controle, embora se comportem de forma semelhante aos serviços centralizados que eles procuram substituir.

Um aplicativo já está funcionando e é o Ethlance, que conecta freelancers com trabalhos que pagam com Etéreos (ETH). Em vez de armazenar o site em um banco de dados central, ele se espalha através da rede Ethereum, com o código Front-End do site armazenado com a ajuda do protocolo peer-to-peer, IPFS.

Hoje, há passos extras que os usuários precisam tomar para acessar a plataforma – principalmente os usuários precisam ser sincronizados com Ethereum, o que significa baixar todo o histórico de blocos através de um cliente como geth ou realizar paridade.

Com o Ethlance, o aplicativo não tem um corte de ganhos. Em vez disso, os usuários precisam pagar à rede uma pequena quantidade de éter para fazer qualquer atualização para seu perfil. Isso ocorre porque, nos bastidores, uma versão dos dados do usuário está sendo alterada em cada na rede.

Tal como acontece com muitos projetos, o tempo dirá se isto irá provar uma falha desagradável na experiência do utilizador, mas alguns acreditam que a usabilidade global da plataforma está melhorando.

Mattan Field, fundador da plataforma de publicação Ethereum-Based Backfeed, atribui a vários fatores, incluindo a “maturidade da equipe de tecnologia”.

“No geral, há uma maturidade técnica e conceitual”, disse ele.

O avanço dos dApps depende do desenvolvimento do Ethereum

Como no mundo das criptomoedas de forma mais ampla, muito depende de mudanças mais voltadas para o futuro. Afinal, não há muito uso para um dApp sem uma infra-estrutura subjacente totalmente desenvolvida.

Conforme reconhecido por seus desenvolvedores, o Ethereum em si ainda não está pronto para a produção, e alguns componentes aos quais se conectará, como o sistema de armazenamento de arquivos Swarm, continuam em andamento.

Avançar com mais aplicativos voltados para o usuário depende muito dessas peças do quebra-cabeça sendo postas em prática.

Alisie acrescentou:

“Ainda há um longo caminho a percorrer, mas o presente aponta para um futuro promissor quando você também adiciona à foto [prova de jogo], lightning networks e sharding”.

A Rede Raiden, uma obrigação para qualquer projeto em busca de escala séria, tem como objetivo aumentar o número de possíveis transações e alguns tipos de contratos inteligentes com o Ethereum. É programado para um lançamento mínimo em 2017 – talvez logo em março.

Outras soluções, entretanto, provavelmente virão com o tempo.

Via: Coindesk
Adaptação/Tradução: Guia do Bitcoin

Escreva um comentário

Investir é especulativo. Ao investir seu capital está em risco. Este site não se destina a uso em jurisdições em que a negociação ou os investimentos descritos são proibidos e só devem ser usados por essas pessoas e de maneiras que sejam legalmente permitidas. Seu investimento pode não se qualificar para a proteção do investidor em seu país ou estado de residência, portanto, conduza sua própria devida diligência. Este site é gratuito para você usar, mas podemos receber comissões das empresas que apresentamos neste site. Clique aqui para obter mais informações.