A Lightining Network vai funcionar?

0 Comentários

Nos primórdios do ele era sinônimo de transações instantâneas, para qualquer parte do mundo e gratuitas. E de fato, quando ele ainda era pouco usado essa promessa era cumprida. Mas o uso do aumentou muito ao longo do tempo, e isso trouxe o problema de escalabilidade.

Todo mundo já deve estar ciente dos problemas atuais do bitcoin: altas taxas e demora nas transações. Isso porque o bitcoin em seu modelo de implementação não é escalável. Enquanto a operadora de cartões de crédito Visa por exemplo opera com dezenas de milhares de transações por segundo, o bitcoin opera com no máximo 7 operações por segundo.

O resultado desse “funil” é que ter sua transação processada acaba sendo um privilégio e um luxo. Tudo que tem grande demanda e pouca disponibilidade o preço tende a subir. E foi exatamente isso que aconteceu com as taxas do bitcoin. Ou você paga caro pra ter sua transação processada logo, ou terá que esperar sabe-se lá quanto tempo até chegar a sua vez. E essa “sua vez” é determinada pelo valor da taxa de processamento que você pagou, pois os mineradores sempre dão preferência a processar as transações com as taxas mais altas, sempre em busca claro, dos maiores lucros para eles.

Leia também  A Rússia encontrou o melhor lugar para mineradores de criptomoedas

Na sua concepção atual, toda e qualquer transação efetuada com o bitcoin, não importa o quão pequeno ou grande seja o valor, é transmitida para toda a rede para ser processada e registrada no .

O blockchain nada mais é do que blocos armazenados sequencialmente um após o outro. Cada bloco contém cerca de 2000 transações e leva em torno de 10 minutos para ser confirmado. As transações que ainda não foram incluídas em um bloco e confirmadas ficam como pendentes. Hoje o bitcoin possui mais de 50.000 transações pendentes, ou seja, cerca de 25 blocos. Esse link que dá o número de transações pendentes no exato momento da consulta:

https://blockchain.info/pt/unconfirmed-transactions

Foi na tentativa de resolver esse problema que surgiu a ideia de uma “Rede Lightning”, que seria uma camada extra inserida no blockchain que em tese tornaria as transações do bitcoin quase instantâneas e gratuitas. Com isso o Lightning retornaria o bitcoin ao sonho original de Satoshi Nakamoto, de ter uma moeda digital com transações instantâneas, baratas e independente de bancos e instituições centralizadas.

Leia também  "O Bitcoin não substituirá o dinheiro", disse a vice-presidente do Bank of Canadá

Sua ideia básica é fazer com que nem todas as transações precisem ser enviadas diretamente para o blockchain. Em vez disso, elas ficariam sendo realizadas em canais paralelos entre usuários.

Duas partes que querem manter um canal aberto para realizar transações enviam a solicitação de abertura do canal para o blockchain. Esse canal pode ficar aberto pelo tempo que quiser, e as partes podem efetuar quantas transações desejarem através dele, de forma instantânea e gratuita. Quando as partes desejarem encerrar o canal, o estado final das transações realizadas por meio dele é então enviada ao blockchain, e só nesse momento é paga a taxa.

Existem algumas dificuldades técnicas e críticas a esse sistema, que ainda está em fase de desenvolvimento e testes, mas que continua sendo promissora. Resta saber se o Lightning irá “ressuscitar” e fazer o bitcoin voltar a concorrer de igual para igual com as demais altcoins mais modernas e eficientes. O futuro ainda é incerto, mas com certeza esse ano será decisivo para o futuro do bitcoin: se ele poderá continuar sendo usado como moeda, ou se ficará restrito ao uso como reserva de valor.

Leia também  HODL: Bitcoin Finalmente ultrapassa os 50% de dominância, Preço aproxima-se de $2.800

(Discernente)
Fonte: https://steemit.com/pt/@discernente/bitcoin-lightning-vai-funcionar

Guia do Bitcoin

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin!
Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: https://guiadobitcoin.com.br/feed/5