Walmart utiliza Blockchain em sua cadeia alimentar e ampliará os investimentos na tecnologia

Tentar fazer os produtos de carne suína na serem mais seguros era apenas o primeiro passo dos planos globais da Walmart com a  .

Imagem: Walmart
Imagem: Walmart

O projeto piloto revelado na semana passada pela a Walmart, usa a tecnologia do projeto Hyperledger para rastrear informações do envio de porco, incluindo detalhes de fazenda de origem, números de lote e temperaturas de armazenamento, tudo isso em um blockchain seguro.

Ao longo dos próximos meses, a gigante do varejo quer expandir esse trabalho. O vice-presidente global de segurança alimentar da Walmart, Frank Yiannas, disse a CoinDesk que, em antecipação ao lançamento de um piloto bem-sucedido, a empresa já está de olho para outras aplicações futuramente.

Yiannas disse:

“Vamos trabalhar imediatamente para identificar produtos alimentares adicionais onde poderíamos utilizar a tecnologia blockchain para melhorar a nossa capacidade de controlar e rastrear-los.”

Se for bem sucedido, o projeto poderia melhorar a prestação de contas em uma grande cadeia de abastecimento (carne de porco é produto de carne mais popular da China). A Walmart está realizando o projeto em parceria com a IBM e a Universidade de Tsinghua, em Pequim.

Leia também  Blockchain recebe apoio de candidata a presidência nos EUA, Hillary Clinton

Após a conclusão do projeto, Yiannas disse que a Walmart vai trabalhar com a IBM sobre as aplicações adicionais, incluindo outras cadeias de abastecimento que poderiam ser rastreadas via blockchain.

Blockchain e o seu impacto global sobre as Indústrias

Mas não é apenas o alimento saudável que Yiannas acredita que estará entre os resultados finais da construção do blockchain em uma série de indústrias na China e ao redor do mundo.

Yiannas diz que as condições mais seguras resultantes de um registo mais transparente, resulta das operações da cadeia de suprimentos em um blockchain que poderia ter um impacto global sobre a marca Walmart.

Ele comentou também:

“Exemplos dos benefícios podem incluir alimentos mais seguros, a confiança do consumidor aumentada, o fluxo aprimorado para fornecer produtos mais frescos para os clientes, entregas mais frescas e mais rápidas poderiam reduzir o desperdício de alimentos no lar, e muito mais.”

O varejista global com valor estimado em US$ 213 bilhões tem trabalhado para assegurar que os produtos que atingem suas lojas atendam a certos padrões de qualidade, mas continua a enfrentar processos judiciais relacionados a esse assunto.

Leia também  Microsoft disponibiliza serviço de criação de Blockchains no Azure (BaaS)

A Walmart foi processada no início deste ano por causa produtos de queijo que vendeu e continham traços de madeira neles, e no ano passado o varejista afirmou que os produtos de origem do amido de milho que vendeu, que afirmavam ser “totalmente natural”, na verdade incluiam material geneticamente modificado.

Via: CoinDesk
Adaptação e Tradução: Guia do Bitcoin

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *