Exchange brasileira Foxbit adquire a BitInvest

De acordo com a , líder entre as corretoras da moeda virtual no , compra aumentará a base de usuários da . Valor da transação não foi revelado.

Em transação inédita no mercado de do Brasil, a corretora de  Foxbit anunciou a da Bitinvest, também especializada na compra e venda da moeda virtual. O valor da transação ainda não foi informado.

De acordo com João Paulo Oliveira, sócio da Foxbit, o principal motivo para a compra da Bitinvest foi a conquista de novos clientes. “Cerca de 27 mil pessoas já utilizaram a Foxbit para comprar ou vender bitcoins. A Bitinvest, por sua vez, havia mediado as transações de 7 mil usuários, sendo que a grande maioria deles nunca havia usado o Foxbit. Com a aquisição, ganhamos um número significativo de clientes”, afirma Oliveira.

Criada em dezembro de 2014, a Foxbit é atualmente a maior empresa brasileira operando no setor. No mês de junho de 2016, foi responsável por 53,5% das compras e vendas de bitcoins realizadas no Brasil, segundo a Bitvalor, entidade que monitora as transações com a moeda virtual em território nacional.

Leia também  Singular DTV - O Futuro do Entretenimento

Também em junho deste ano, a startup movimentou R$ 29 milhões em transações. Cerca de 0,5% desse valor fica como comissão para a Foxbit, o que fez com que a empresa faturasse R$ 150 mil no período.

A Bitinvest, por sua vez, nasceu antes: em janeiro de 2014. Em junho do mesmo ano, a empresa chegou ao seu auge, movimentando R$ 100 mil em compras e vendas de bitcoins. No entanto, a Bitinvest está desativada desde o início deste ano. Quando Flávio Pripas, fundador da empresa, passou a negociar a venda da Bitinvest para a concorrência.

De acordo com Pripas, sua atuação à frente do Cubo, espaço de incentivo ao setor de patrocinado pelo Banco Itaú e pelo fundo Redpoint eventures, fez com que houvesse problemas em conciliar a direção do projeto e a gestão da Bitinvest.

O espaço foi aberto em setembro do ano passado, em São Paulo, mas Pripas trabalha no projeto desde o início de 2015. “Não estou apenas 100% envolvido no Cubo; estou 1000%. Por isso, após oito meses de negociação, decidi vender a Bitinvest para o concorrente mais bem preparado.”

Leia também  O Futuro do Bitcoin na Índia: Mineração, Exchanges e Depreciação da Rúpia

A compra da Bitinvest pela Foxbit ocorreu há de 20 dias. De acordo com Oliveira, ainda não há certeza do que será feito com a marca recém-comprada. “A alternativa mais provável é que usemos o nome da Bitinvest em outros produtos que serão relacionados ao setor de bitcoins no futuro, como soluções de investimento e métodos de pagamento baseados exclusivamente na , em um momento em que o uso dessa modalidade de pagamento for mais difundido”, afirma.

E, de acordo com números da Bitvalor, o bitcoin está sendo cada vez mais usado pelas pessoas. Em 2013, o Brasil movimentou R$ 13 milhões em transações do tipo. Em 2015, o número foi oito vezes maior: R$ 111,3 milhões. Para 2016, a estimativa é que este montante chegue a R$ 300 milhões. A Foxbit espera que metade desse valor seja movimentado em sua plataforma, gerando um faturamento de R$ 2 milhões para a empresa no período.

Leia também  Japão planeja não cobrar mais imposto de transações com Bitcoin e critpmoedas

Já se antecipando para um momento em que o bitcoin será ainda mais usado – e de uma maior fiscalização do Banco Central – a Foxbit está se preparando para obedecer aos mesmos padrões de segurança de bancos convencionais. “Queremos mostrar que nosso trabalho é sério e que o mercado de bitcoins não é ‘terra de ninguém’”, afirma Oliveira.

Via: Revista PEGN

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *