Banco Bradesco se une a consórcio R3 e vai fazer uso da tecnologia Blockchain

bradesco-investe-em-blockchain
Imagem: Reprodução

O Bradesco vai fazer, até o fim do ano, em São Paulo, um teste de uso do “blockchain”, a por trás da moeda virtual . Se o cronograma for mantido, será o primeiro teste prático da tecnologia feito por um brasileiro.

O “blockchain” funciona como um livro-caixa de transações feitas no mundo . A tecnologia tem atraído a atenção dos bancos ao redor do mundo por duas razões principais. As transações registradas não podem ser apagadas nem alteradas, o que garante segurança ao sistema. O funcionamento também independe de grandes estruturas de tecnologia, o que pode representar uma redução de custos em relação às formas tradicionais de processamento de transações.

Segundo Marcelo Frontini, diretor de pesquisa e inovação do Bradesco, o teste com o “blockchain” será feito em Paraisópolis, Zona Sul da capital paulista, em parceria com a startup eWally. A empresa foi uma das selecionadas da mais recente turma do InovaBRA, programa de apoio a startups do Bradesco. A empresa desenvolveu uma carteira digital que pode ser usada com um smartphone para pagamentos e transferência de dinheiro. O “blockchain” é a tecnologia por trás do sistema. De acordo com o executivo, o sistema será integrado à rede de correspondentes bancários Bradesco Expresso. Assim, quem quiser fazer um depósito, retirar dinheiro ou fazer um usando a eWally, poderá ir a um desses pontos.

Leia também  Serviço de pagamento em Bitcoin, Bitwage, inicia operação no Brasil

“Usando o Bradesco como entrada e saída, conseguimos monitorar o uso, o que dá segurança ao teste”, disse.

O Bradesco está levando o “blockchain” bastante a sério. O banco acabou de se integrar ao consórcio R3, que reúne 43 bancos de todo o mundo para estudar e criar padrões para o uso do sistema. É o segundo banco nacional a entrar no consórcio. O Itaú foi o primeiro, há dois meses.

Além da carteira digital da eWally, o Bradesco também vai fazer testes com o sistema de transferência de dinheiro por meio de remessas internacionais da startup BitOne, outra recém-aprovada no InovaBRA. Nesse caso, no entanto, as avaliações ainda são iniciais, para verificar a viabilidade do modelo.

A BitOne desenvolveu um sistema de proteção cambial para as transferências (“hedge”), que tem o objetivo de reduzir o impacto de conversão do bitcoin para a moeda do destinatário da transferência. De acordo com Frontini, é preciso avaliar se o custo desse hedge não será alto demais, inviabilizando o sistema.

Leia também  Alerta: Rede Ethereum continua sofrendo ataques constantes

O banco também está em conversas com a startup Ripple Labs, a principal referencia em remessas internacionais usando “blockchain”.

O “blockchain” é uma das vertentes do grupo de trabalho criado pelo Banco Central (BC) para discutir as “fintechs”, como vêm sendo chamadas as tecnologias voltadas ao setor financeiro.

Via: Valor Econômico

Posts relacionados

Leia também  Synereo (AMP) será listada em exchange na China

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *